Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐190
Open Access
VULNERABILIDADE E AUTOPERCEPÇÃO DE RISCO PARA O HIV ENTRE ESTUDANTES DA ÁREA DA SAÚDE
Visits
...
Bruna Fernandes Pousada, Fábio Ferreira Escaleira, Vivian Iida Avelino‐Silva, Ricardo Vasconcelos
Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein (FICSAE), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Apesar de discussões teóricas e práticas sobre fatores de risco e estratégias de prevenção da infecção por HIV e outras IST constarem nos cursos da área da saúde, estudantes podem apresentar autopercepção de risco incongruente com suas vulnerabilidades.

Objetivo: Avaliar a vulnerabilidade e a autopercepção de risco para o HIV entre estudantes de Enfermagem e Medicina de uma instituição em São Paulo.

Metodologia: A vulnerabilidade à infecção por HIV e a autopercepção de risco foram avaliadas por meio de um questionário de autopreenchimento contendo perguntas sobre hábitos e práticas sexuais e sobre a autopercepção de risco prévia, atual e futura dos participantes. Todos os participantes forneceram consentimento informado antes da inclusão no estudo.

Resultados: 324 estudantes de medicina e enfermagem participaram do estudo. A maioria se identificou como mulher cisgênero (65%), de etnia branca (84%) e de orientação heterossexual (82%). 19% relataram não usar camisinha consistentemente (sempre ou na maioria das vezes) em relações sexuais com parcerias casuais e 47% com parcerias fixas. 12% relataram sexo sob uso de álcool em mais da metade das vezes e 21%, sexo sob influência de drogas ao menos uma vez no último ano. 5% dos participantes relataram alguma IST prévia. 18 estudantes (5%) reportaram uso de camisinha em menos da metade das relações sexuais com parcerias casuais nos 3 meses anteriores ao estudo; dentre eles, apenas 33% declararam preocupação moderada/alta com infecção por HIV. Em comparação, dentre os 77 participantes que declaram uso consistente de camisinha em relações casuais, 52% declararam alta/moderada preocupação. Tal discrepância não atingiu significância estatística (p=0,155), mas sugere uma percepção de risco equivocada. 49 (15%) participantes demonstraram percepção de risco inadequada, pois declararam uso inconsistente de camisinha em todas as relações sexuais nos últimos 3 meses e nenhuma preocupação com infecção por HIV no último ano; tais estudantes foram mais propensos a reportar sexo sob a influência de álcool (p=0.004) e drogas (p=0.011).

Discussão/Conclusão: Percepção de risco inadequada foi associada com maior exposição a comportamentos de risco de infecção por HIV entre alunos da área da saúde. Mais estudos são necessários para caracterizar fatores associados e medidas educacionais efetivas para diminuir a discrepância entre comportamento e percepção de risco.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools