Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐077
Open Access
TRANSMISSÃO CRUZADA DE SARS‐COV‐2 EM PACIENTES HOSPITALIZADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
Visits
...
Josni Tauffer, Eduardo Alexandrin Servolo de Mede, Maria Claudia Stockler de Almeida, Diogo Boldiml Ferreira, Thaysa Sobral Antonelli
Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A transmissão do vírus SARS‐CoV‐2 dá‐se por secreções respiratórias, primariamente por gotículas. Transmissão por aerossóis é relatada em situações que favorecem a dispersão do vírus em partículas suspensas de aerossóis. A transmissão hospitalar de SARS‐CoV‐2 vem sendo relatada em várias instituições.

Objetivo: Caracterizar transmissão cruzada de SARS‐CoV‐2 em pacientes hospitalizados em um hospital universitario no período de março a maio de 2020.

Metodologia: Foi considerada transmissão hospitalar SARS‐CoV‐2 pacientes com RT‐PCR positivo com internação hospitalar superior a 7 dias, excluindo pacientes com diagnóstico de entrada COVID‐19 e pacientes expostos a outro paciente no mesmo quarto por período superior a 24 horas ou a um profissional de saúde com COVID‐19 confirmada. Foram também avaliados pacientes que tiveram reinternação, no período inferior a 7 dias e que tiveram COVID‐19 confirmada.

Resultados: Neste período 33 (100%) foram considerados transmissão hospitalar, sendo 17 (51,5%) gênero feminino, média de idade de 60 anos (23‐86), raça branca com 16 (48%). Comorbidades pr, 13 (39,9%) diabetes; 08 (24,2%) doença renal crônica; 07 (21,2%) neoplasia e 07 (21,2%). Entre os pacientes que não tiveram re‐internação hospitalar 28 (84,8%), o tempo médio entre a data de internação e início dos sintomas foi de 25 dias (7‐129). Entre os 05 (15,1%) pacientes que foram diagnosticados após alta hospitalar o tempo médio do início dos sintomas após alta foi 02 (1‐4) dias. Os principais sintomas foram dispneia 15 (45,5%); tosse 14 (42,4%); febre 11 (33,3%) diarreia 10 (30,3%). Cinco (15,1%) pacientes eram assintomáticos.

A necessidade de oxigênio por cateter nasal ocorreu em 20 (60%) dos casos. Vinte (60%) necessitaram de UTI, com média de internação de 14 dias (1‐69), destes, 11 (55%) submetidos à ventilação mecânica, A média de ventilação mecânica foi de 9,5 dias (3‐28 dias). Dezenove (57,7%) casos evoluíram para óbito.

Discussão/Conclusão: A transmissão hospitalar por SARS‐CoV‐2 infelizmente será inevitável durante a circulação do vírus na comunidade. Não podemos poupar esforços para diminuir sua ocorrência. Uma vez detectado um caso índice, devemos realizar busca‐cativa em pacientes sintomáticos e assintomáticos. Pacientes internados por outros diagnósticos, sempre que apresentarem sintomas sugestivo de COVID‐19, em particular insuficiência respiratória aguda sem outra causa, devem sempre ser investigados para SARS‐CoV‐2 durante a circulação do vírus na comunidade ‐ pandemia.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools