Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐069
Open Access
SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE POR COVID‐19: PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA NO BRASIL
Visits
...
Nathália Moreir de Almeida França, Gabriella Santos Pinheiro, Larissa Almeida Oliveira Barbosa, Katia de Miranda Avena
Centro Universitário UniFTC, Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma das complicações da COVID‐19, é responsável por alta morbimortalidade. Muitos pacientes são internados pela necessidade de monitoramento constante dos sinais vitais, de suporte ventilatório e de medicamentos de alta complexidade. Apesar de apenas 5% destes necessitarem de cuidados intensivos, devido às altas incidências e à gravidade da doença, o número absoluto de pacientes em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em um curto espaço de tempo, tornou‐se um desafio para as autoridades sanitárias.

Objetivo: Analisar o perfil clínico e epidemiológico dos pacientes internados com SRAG por COVID‐19 em UTI no Brasil e em suas regiões.

Metodologia: Estudo observacional, retrospectivo, transversal, realizado através dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde, analisando os internamentos em UTI por SRAG decorrente de COVID‐19. A análise contemplou o período da primeira notificação (em 21/02/2020) até a última atualização disponível (em 21/09/2020). As variáveis de interesse foram idade, gênero, raça, sinais e sintomas, comorbidades, tempo médio de permanência na UTI e uso de suporte ventilatório. Dispensou‐se apreciação pelo Comitê de Ética em Pesquisa por terem sido utilizados dados públicos, sem identificação dos participantes.

Resultados: Foram notificados 120.469 internamentos de SRAG decorrentes de COVID‐19 no país. Destes, 74,4% (n=89.677) apresentavam algum fator de risco, 58,6% (n=70.579) eram homens, 77,5% (n=93.368) possuíam idade de 50 anos ou mais e 36,5% (n=44.014) eram brancos. Em relação às regiões do país, observou‐se que 52,8% (n=63.589) dos casos ocorreram no Sudeste, 20,7% (n=24.986) no Nordeste, 11,3% (n=13.645) no Sul, 9,0% (n=10.867) no Centro‐oeste e 6,1% (n=7.382) no Norte. Em média, os pacientes permaneceram 10,1 dias internados (DP±10,6, máximo de 212 dias), tendo como achados clínicos mais prevalentes dispneia (76,8%), tosse (68,3%), saturação <95% (67,2%) e febre (63,3%). Dentre os internamentos, 41,6% fez uso de suporte ventilatório, destes, 61,1% com ventilação invasiva. O desfecho de óbito ocorreu em 53,8% dos casos.

Discussão/Conclusão: Evidenciou‐se maior prevalência de SRAG decorrente de COVID‐19 entre homens brancos, adultos, residentes na região Sudeste, portadores de algum fator de risco, com achados clínicos de dispnéia, tosse, baixa saturação e febre. Frente à gravidade da doença, demonstrou‐se uma permanência prolongada na UTI, com altos índices de suporte ventilatório invasivo e alta mortalidade.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools