Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐273
Open Access
SEPSE E MORTALIDADE EM UMA UNIDADE NEONATAL: RESULTADOS PARCIAIS DE UM ESTUDO RETROSPECTIVO
Visits
...
Ana Carolina Souza de Lima, Francielly Palhano Gregorio, Giovana Ciquinato, Edilaine Giovanini Rossetto, Gilselena Kerbauy
Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: CNPQ

Introdução: As infecções e a sepse neonatal são considerados grandes desafios clínicos e implicam riscos à sobrevida dos neonatos. No Brasil, as infecções relacionadas à assistência à saúde acometem cerca de 30% dos pacientes neonatais quando comparado aos pediátricos. E aproximadamente 60% da mortalidade infantil ocorre durante o período neonatal, sendo a sepse uma das principais causas.

Objetivo: Analisar a associação da mortalidade neonatal com o desenvolvimento das infecções relacionadas à assistência à saúde e sepse durante a hospitalização.

Metodologia: Estudo epidemiológico, retrospectivo envolvendo recém‐nascidos diagnosticados com infecções relacionadas à assistência à saúde, hospitalizados em setor neonatal de um hospital terciário do norte do Paraná, no período de janeiro a dezembro de 2018. As variáveis clínico‐epidemiológicas foram coletadas das fichas de notificação de infecção da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar.

Resultados: A amostra foi composta por 181 neonatos que desenvolveram infecções relacionadas à assistência à saúde durante o período de hospitalização. Nestes neonatos, 322 infecções foram diagnosticadas, considerando que alguns apresentaram mais de uma infecção. As infecções mais frequentes foram sepse precoce 20,50% (66), seguida por pneumonia tardia 15,52% (50) e precoce 15,21% (49). Em relação ao desenvolvimento de sepse (primária ou secundária) 146 (80,21%) neonatos apresentaram pelo menos um episódio de sepse durante a hospitalização. Evoluíram a óbito 23 (12,64%) recém‐nascidos, e destes as infecções relacionadas à assistência à saúde contribuíram com 65,21% (15) das mortes, de acordo com critérios médicos de investigação da causa óbito. As variáveis associadas à mortalidade entre os neonatos com infecções relacionadas à assistência à saúde foram: diagnóstico de múltiplas infecções e desenvolvimento de sepse, ambas estatisticamente significativas (p<0,001).

Discussão/Conclusão: As infecções relacionadas à assistência à saúde e a sepse foram associadas à mortalidade neonatal. Mediante o exposto, é relevante que os serviços de saúde implementem medidas de prevenção e controle das infecções com objetivo de garantir a segurança e sobrevida dos neonatos hospitalizados.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools