Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐256
Open Access
PROGNÓSTICO E FORMAS CLÍNICAS DE PACIENTES COM COINFECÇÃO TUBERCULOSE‐HIV E COM TUBERCULOSE: UMA COMPARAÇÃO
Visits
...
Beatriz Gonçalves Luciano, Gabriel José Torres da Silva, Ana Laura Cavalcante Vasconcelos, Thiago José Matos Rocha
Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A Tuberculose (TB) é uma doença que afeta diversos órgãos e é causada por bactérias do complexo Mycobacterium tuberculosis, sendo endêmica do Brasil. Sua coinfecção com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) é considerada a mais comum mundialmente. Apesar de seu impacto, os aspectos acerca da forma clínica e prognóstico de doentes com a coinfecção carecem de esclarecimento, motivando a pesquisa.

Objetivo: Comparar características quantitativas das formas clínicas e prognóstico de pacientes com coinfecção TB‐HIV, em relação aos que apresentam somente TB, no período de 10 anos.

Metodologia: Consiste em estudo observacional, retrospectivo, de cunho quantitativo, com análise do período de janeiro de 2010 a dezembro de 2019 de dados epidemiológicos do Sistema de Notificações de Informações de Agravos de Notificações do SUS. Foram comparadas as variáveis: número de casos totais, classificação e forma clínica da doença. Foi utilizada estatística descritiva e análise de frequências relativa e absoluta.

Resultados: Foram notificados 881.486 de TB no período, dos quais 11% (n=97.286) testaram positivo para HIV, 63,8̈% (n=562.780) testaram negativo e 21,4% (n=188.915) não foram testados, evidenciando lacuna de testagem. Quanto ao desfecho, os coinfectados apresentaram taxa de cura de 44,5% (n=43.385), em comparação com 72,3% (n=407.154) de não coinfectados, porém tiveram maiores taxas de abandono do tratamento com 17,7% (n=17. 291) e óbito por TB 3,7% (n=3.665), se comparadas com 10% (n=56.540) e 2,5% (n=14.506) dos sem coinfecção. A maior morbimortalidade em portadores do HIV é corroborada por um estudo transversal realizado entre os anos de 2006 e 2015 no Sudeste do Brasil, que apontou a capacitação dos profissionais da atenção primária para o diagnóstico precoce da TB como alternativa para redução dos índices. Sobre a forma clínica, a forma pulmonar correspondeu a 85,6% (n=481.941) dos casos em não‐infectados pelo HIV e a 68,7% (n=66.880) do grupo coinfectado, enquanto que a soma das formas extrapulmonar e pulmonar+extrapulmonar foi de 14,3% (n=80.825) no primeiro grupo e 31,2% (n=30.403) no segundo, evidenciando maior incidência dessas formas, tidas como incomuns, em coinfectados.

Discussão/Conclusão: A coinfecção TB‐HIV mostrou incidência de 11%, maiores taxas de abandono, de óbito e de formas extrapulmonares. Tais estatísticas reforçam a importância do diagnóstico e tratamento precoce na melhora do prognóstico desses pacientes.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools