Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐255
Open Access
EPIDEMIOLOGIA DA COINFECÇÃO LEISHMANIOSE VISCERAL‐HIV NO NORDESTE BRASILEIRO DURANTE A ÚLTIMA DÉCADA
Visits
...
Beatriz Gonçalves Luciano, Gabriel José Torres da Silva, Ana Laura Cavalcante Vasconcelos, Thiago José Matos Rocha
Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A leishmaniose visceral americana (LVA) é uma zoonose causada pelo protozoário Leishmania (Leishmania) infantum chagasi, transmitida pelo flebotomíneo Lutzomyia longipalpis que é endêmica do Brasil. Já o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), causa imunodepressão que predispõe à coinfecção LVA‐HIV, sendo o risco de contração de LVA aumentado em 230 vezes em relação a pessoas sem HIV. Apesar do elevado impacto da coinfecção, seu potencial pior prognóstico, há carência de dados epidemiológicos no Nordeste, justificando o estudo proposto.

Objetivo: Analisar os aspectos epidemiológicos, sociais e demográficos das notificações de casos de coinfecção LVA‐HIV, no Nordeste no período de 10 anos.

Metodologia: Estudo observacional, retrospectivo, de cunho quantitativo, com análise do período de janeiro de 2010 a dezembro de 2019 dos dados epidemiológicos e sociodemográficos do Sistema de Notificações de Informações de Agravos de Notificação do SUS. Foram analisadas as variáveis: ano de notificação, Unidade Federativa (UF) de residência, zona de residência, etnia, sexo e evolução. Foi aplicada estatística descritiva e análise das frequências relativa e absoluta.

Resultados: Foram notificados 1.737 casos de coinfecção LVA‐HIV, que representou 8,7% do total de ocorrências de LV (n=19.809) do período. Houve ênfase no ano de 2016 que registrou 13% (n=228) dos casos e para os estados do Maranhão, Piauí e Ceará, que somaram 72% (n=1.252) dos casos no Nordeste. Sobre a zona de residência, a urbana concentrou a maioria dos casos, cerca de 80,7% (n=1.402), com crescimento ao longo do período, partindo de 101 em 2010 para 161 em 2019. As notificações prevaleceram em indivíduos do sexo masculino com 79,9% (n=1.388); e etnia parda com 84,3% (n=1.465). Quanto à evolução, 60,5% (n=1.051) obteve cura, enquanto 14,2% (n=248) não teve evolução acompanhada. A elevada prevalência da coinfecção LVA‐HIV pode indicar viabilidade da testagem para LVA em pacientes com HIV residentes em zona endêmica, conforme aponta um estudo transversal realizado em Pernambuco entre 2014 e 2015, pois a detecção precoce pode favorecer o prognóstico.

Discussão/Conclusão: Foi elevado o número de casos notificados no período, a maioria em 2016, ocorridos em zona urbana, destacando‐se indivíduos do sexo masculino, de etnia parda, principalmente nos estados do Maranhão, Ceará e Piauí. Tais achados indicam a viabilidade da testagem para LVA em portadores do HIV residentes em áreas endêmicas.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools