Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 110 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 110 (December 2018)
EP‐148
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.210
Open Access
PNEUMONIA POR STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTE À METICILINA COMUNITÁRIO (CA‐MRSA): RELATO DE CASO
Visits
...
Matheus Cordeiro Marchiotti, Guilherme Almeida Costa, Ricardo Beneti, Alexandre Martins Portelinha
Hospital Regional de Presidente Prudente, Presidente Prudente, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 10 ‐ Horário: 10:37‐10:42 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: O Staphylococcus aureus (S. aureus) resistente à meticilina (MRSA) é um grave problema de saúde pública. De acordo com o Center for Control and Disease Prevention, para se classificar uma infecção por S. aureus resistente à meticilina comunitário (CA‐MRSA) é necessário preencher os seguintes critérios: cultura positiva para MRSA colhida no máximo em 48 horas de admissão hospitalar; paciente sem dispositivos hospitalares de longa permanência; não pode haver história prévia de infecção por MRSA; sem passado de hospitalização recente ou residente em casas de saúde.

Objetivo: O presente relato demonstra um caso de pneumonia por S. aureus resistente à meticilina comunitário.

Metodologia: Paciente do sexo masculino, privado de liberdade. Deu entrada com queixa de tosse havia três semanas, acompanhada de febre, perda de peso e hemoptise. Na admissão se encontrava taquipneico, febril, com estertores em base pulmonar bilateral e lesões pustulosas em membro superior esquerdo. Devido à presença de opacidades pulmonares heterogêneas no raios X e leucocitose com desvio à esquerda, foram solicitadas tomografia de tórax, hemocultura e bacterioscopia de escarro e foi introduzido tazocin. A tomografia demonstrou nódulos de dimensões variadas, a maioria com escavação, levantou a hipótese de embolia séptica e foi necessária a sua investigação, foi associada vancomicina. O resultado de três amostras de hemocultura apresentou S. auereus resistente à oxacilina e sensível a outros antibióticos, confirmou o caso como pneumonia por S. aureus resistente à meticilina comunitário. Três dias após a internação foi feito ecocardiograma transtorácico que descartou presença de vegetação, conferiu o foco primário da infecção à presença de furúnculos no braço esquerdo. Após 21 dias de vancomicina e melhoria do quadro clínico e radiológico, recebeu alta hospitalar.

Discussão/conclusão: A infecção por S. aureus resistente à meticilina comunitária é uma entidade rara. O agente etiológico tem característica de ser resistente aos beta‐lactâmicos e sensível às múltiplas classes de antibióticos. Por conta da citocina produzida pela espécie, Panton‐Valentine Leukocidin, que desencadeia destruição leucocitária e necrose tecidual, essas infecções tendem a ter um pior prognóstico. A pneumonia por CA‐MRSA é uma patologia incomum em nosso meio, contudo devemos levar em consideração esse agente etiológico. Este caso revela a importância da identificação do agente etiológico da pneumonia e seus diagnósticos diferenciais.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.