Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 143 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 143 (December 2018)
EP‐210
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.272
Open Access
PARACOCCIDIOIDOMICOSE E TUBERCULOSE PULMONAR EM PACIENTE IMUNOCOMPETENTE: UMA ASSOCIAÇÃO RARA
Visits
...
Juvêncio Dualibe Furtado, Meliane Moleta, Ana Cláudia Salomon Braga, Eduarda da Silva Jardim, Filipe dos Santos Sousa, Aline Iglesias Gonzalez
Hospital Heliópolis, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 9 ‐ Horário: 14:05‐14:10 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: A paracoccidioidomicose (PCM) é causada pelo Paracoccidioides spp. O contágio ocorre através do solo contaminado com o fungo, o meio rural é o mais propício para se adquirir a infecção. Na fase aguda/subaguda podem‐se observar adenopatias e fistulização, as cadeias cervical, axilar e inguinal são as mais acometidas. Outras doenças infecciosas podem estar associadas à PCM. A coinfecção entre tuberculose (TB) e PCM ocorre em 5,5‐19% dos casos, pode ocorrer simultânea ou sequencialmente, em decorrência da queda da imunidade celular.

Objetivo: Relatar a ocorrência de coinfecção entre PCM e TB em paciente imunocompetente.

Metodologia: VNA, 46 anos, masculino, trabalhador de marmoraria e granja, procedente de Montes Claros, MG. Apresentava linfonodomegalia em região cervical anterior e posterior, bilateral, com sinais flogísticos e dor à mobilização, associados a tosse seca, odinofagia, febre e perda ponderal. Sem comorbidades e internamentos prévios. Apresentava lesão ulcerada e dolorosa em palato mole à direita. O maior linfonodo tinha 5cm de diâmetro. A pesquisa de BAAR no escarro foi negativa e o teste rápido molecular positivo. Iniciado tratamento com rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol (Ripe). Após 30 dias de tratamento mantinha os sintomas iniciais, com pioria respiratória e aumento linfonodal à direita. Feita punção de linfonodo cervical, o exame micológico direto evidenciou leveduras com brotamento características de Paracoccidioides brasiliensis. Associada ao tratamento anterior anfotericina B lipossomal 200mg/dia. Tomografia de tórax com opacidades pulmonares bilaterais, linfonodomegalias mediastinais e axilar à direita, algumas com centro necrótico. Nódulos sólidos, não calcificados, irregulares, por vezes escavados, distribuídos pelo parênquima, bilateralmente com predomínio em ápice. Notou‐se ainda espessamento dos septos inter e intralobulares associado a opacidades ramificadas, com padrão de árvore em brotamento e vidro fosco.

Discussão/conclusão: Considerando a raridade da coinfecção TB/PCM linfonodal em imunocompetente e a similaridade do quadro clínico de ambas, observamos com frequência o atraso diagnóstico e o retardo do tratamento. Devemos ressaltar a importância deste relato e valorizar a investigação diagnóstica constante, mormente quando as evoluções clínica e terapêutica estão dissonantes. A possibilidade de coinfecção deve estar presente nos diagnósticos diferenciais de doenças granulomatosas, principalmente quando há demora na resposta terapêutica.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.