Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐038
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101116
Open Access
PANCREATITE AGUDA EM PACIENTES INTERNADOS COM COVID 19 EM HOSPITAL PRIVADO NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO
Visits
...
Karen Mirna Loro Morejón, Adriana F. Silva Santos, Karina J. Bonicenha Pedroso, Bruna M. da Costa, Larissa Mil-Homens Albergaria, Edivaldo P. Meneses Filho, Gil C. Alkmin Teixeira, Roosevelt S. Nunes, Rafael Germano, Leandro L. Souza Viganó
Hospital Unimed Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A pandemia causada pelo SARS CoV 2 trouxe muitos desafios para as equipes assistenciais. Os pacientes podem evoluir com complicações clínicas que exigirão uma percepção mais apurada, para que seja feito um diagnóstico adequado. No trato gastro‐intestinal e no pâncreas há a expressão da ACE2 (enzima conversora de angiotensina 2), o que poderia explicar o envolvimento desses órgãos no curso da infecção em alguns pacientes. A pancreatite tem sido relatada em alguns pacientes com COVID 19, com evolução variável.

Objetivo: Avaliar a ocorrência de pancreatite nos pacientes internados por SARS CoV2 em hospital privado, a fim de estabelecer rotina de coleta desses exames (amilase e lipase) em pacientes com essa infecção viral.

Metodologia: Foram coletadas amostras de sangue de 257 pacientes internados com infecção pelo SARS CoV 2 entre os meses de abril e outubro de 2020, para análise de amilase e lipase. O valor de referência da amilase é 25‐115 U/L e da lipase é 73‐393 U/L.

Resultados: Dos 505 pacientes internados com COVID 19 em nossa instituição, 257 fizeram coleta de amilase e lipase. Desse total, 44 (17%) apresentaram alteração nesses exames. Em relação ao sexo, foram identificados 29 homens e 15 mulheres. Vinte e sete pacientes tinham mais que 60 anos, treze pacientes tinham entre 40‐59 anos e 4 pacientes entre 30‐39 anos. Do total de pacientes com exame alterado, 33 pacientes (75%) tiveram lipase de, pelo menos, duas vezes o valor de referência.

Discussão/Conclusão: Consideramos significativa as alterações de amilase e lipase observadas em vários pacientes. Alguns tiveram quadro clínico compatível, porém, em outros pacientes, por estarem sedados e em ventilação mecânica, essa suspeita foi levantada por sinais indiretos, tais como alterações de frequência cardíaca, febre e episódios de hipotensão. Todos os pacientes tiveram boa evolução clínica do ponto de vista da pancreatite. Concluímos que o acometimento pancreático pode ser mais frequente do que temos observado. Sugerimos que esses exames sejam feitos de rotina em pacientes internados com COVID.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools