Journal Information
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Full text access
OCORRÊNCIA DE KLEBSIELLA PNEUMONIAE EXTENSIVAMENTE RESISTENTE (XDR) PRODUTORAS DE CARBAPENEMASES EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO EM RECIFE, PERNAMBUCO
Visits
482
Polinny Suanny Fragoso de Santanaa,
Corresponding author
polinnydesantana@gmail.com

Corresponding author.
, Thaís Roberta da Silvaa, Ana Caroline Oliveira Alves Ribeirob, Marinalda Anselmo Vilelaa, Márcia Maria Camargo de Moraisa, Beathriz Godoy Vilela Barbosaa
a Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
b Instituto de Geociências, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 27. Issue S1

XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia

More info
Introdução

Klebsiella pneumoniae é um patógeno de importância clínica associado a inúmeros relatos de infecções graves. Essa espécie pode ainda apresentar resistência a múltiplas drogas, incluindo as principais opções terapêuticas disponíveis. O objetivo do estudo foi descrever a ocorrência de K. pneumoniae XDR recuperadas de um hospital terciário em Recife, Pernambuco.

Metodologia

Foram selecionadas as amostras de K. pneumoniae com fenótipo XDR isoladas no Laboratório de Microbiologia do hospital entre julho de 2017 e junho de 2018, limitando-se a uma amostra por paciente para cada material clínico. Os dados de identificação bacteriana e susceptibilidade foram obtidos por método automatizado (Vitek®) e a produção da carbapenemase KPC avaliada pelo teste de Hodge modificado. A presença dos genes blaKPC e mcr-1 foi investigada por Reações em Cadeia da Polimerase.

Resultados

Foram obtidas 21 amostras de K. pneumoniae XDR, a maioria (76,2%, n=16) em 2017. A ocorrência desses isolados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) (n=14) foi o dobro daquela observada nas enfermarias (n=7). Os materiais clínicos mais frequentes foram urina (42,9%; n=9) e sangue (28,6%; n=6), enquanto apenas dois isolados foram recuperados de secreção traqueal (9,5%). Todas as amostras foram resistentes às penicilinas com inibidores de betalactamases, cefalosporinas de 2ª, 3ª e 4ª geração, ertapenem e ciprofloxacino. A resistência à gentamicina e aos carbapenêmicos Imipenem (IMP) e Meropenem (MER) foi de 95,2% (n=20). A produção fenotípica de KPC foi identificada em 20 amostras, todas resistentes ao IMP e ao MER, das quais 19 (95%) abrigavam o gene blaKPC. A resistência à polimixina B foi identificada em 28,6% (n=6) dos isolados, cinco deles recuperados de UTI e nenhum abrigava o gene mcr-1. Apenas uma amostra foi resistente à amicacina, sendo suscetível apenas a polimixina B.

Conclusão

Os altos níveis de resistência aos antimicrobianos, sobretudo aos carbapenêmicos, principais opções de tratamento em casos de infecções graves, somados à expressiva identificação do gene blaKPC, reforçam a importância do monitoramento da resistência bacteriana e a necessidade de medidas de controle da disseminação dos mecanismos de resistência em ambientes hospitalares. Acrescido a isso, são necessários outros testes para comprovação da resistência à polimixina B. Neste estudo, a amicacina mostrou-se como uma opção terapêutica no tratamento das infecções causadas por K. pneumoniae XDR.

Palavras-chave:
UTI
Multirresistência
KPC
polimixina B
Carbapenêmicos
Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools