Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐151
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101229
Open Access
MÉTODOS NÃO INVASIVOS PARA ANÁLISE DE FIBROSE HEPÁTICA EM PACIENTES COM HEPATITE B E DELTA
Visits
...
Júlia Teixeira Ton, Ester Teixeira Ton, Alcione Oliveira dos Santos, Juan Miguel Villalobos Salcedo, Deusilene Vieira, Mariana Pinheiro Vasconcelos
Centro de Pesquisa em Medicina Tropical (CEPEM), Porto Velho, RO, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A biópsia hepática é considerada o padrão‐ouro para a avaliação da fibrose hepática, mas atualmente vem perdendo espaço para os métodos não invasivos, como os sistemas de pontuação, escore Aspartato aminotransferase to platelet ratio index (APRI) e o escore Fibrosis index based on the four factores (FIB 4).

Objetivo: Avaliação do grau de fibrose hepática através de métodos não invasivos em pacientes monoinfectados com HBV e coinfectados com HBV e Vírus da Hepatite Delta (HDV) admitidos nos anos de 2017 e 2018 no Centro de Pesquisa em Medicina Tropical de Rondônia (CEPEM).

Metodologia: Estudo retrospectivo de 324 prontuários de pacientes com HBV e HBV/HDV no CEPEM. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CAAE: 10609819.0.0000.0011). Para as análises estatísticas foi utilizado o SPSS® versão 25.0.

Resultados: Dos 324 pacientes incluídos, 93,2% eram HBV e 6,8% HBV/HDV. Os escores APRI e FIB 4 foram calculados em todos os pacientes que tinham no momento da matrícula exames laboratoriais para os cálculos, sendo em 90% dos HBV e 95% dos HBV/HDV. De acordo com escores previamente descritos, foi observado que mais de 60% dos monoinfectados não tinham sinais de fibrose significativa, e que entre 5 a 10% tinham valores correspondendo a fibrose avançada. Nos HBV/HDV, aproximadamente 20% não tinham sinais de fibrose significativa e mais de 40% tinham valores correspondentes a fibrose hepática avançada. Quando comparados os dois grupos de pacientes obtivemos um valor de p<0,0001, demonstrando diferença estatisticamente significativa entre os moinfectados HBV e coinfectados HBV/HDV, tanto para ausência de fibrose como para fibrose avançada.

Discussão/Conclusão: Os escores APRI e FIB 4 demonstraram resultados semelhantes nos dois grupos, entretanto pacientes coinfectados tiveram escores mais elevados e uma porcentagem de fibrose avançada de mais de quatro vezes a população de monoinfectados. Os países endêmicos para HBV e HDV são países em desenvolvimento e a biópsia hepática em muitas regiões não é uma realidade. A utilização de métodos não invasivos de fácil aplicação para avaliação do grau de fibrose hepática seria de fundamental importância para o acompanhamento de pacientes monoinfectados e coinfectados nessas regiões. São poucos os estudos relacionados métodos não invasivos nos pacientes HDV e mais estudos são necessários para se entender o real papel desses métodos na prática clínica.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools