Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐142
Full text access
ÍNDICES DE MORTALIDADE POR ARBOVIROSES E FEBRES HEMORRÁGICAS VIRAIS NAS 5 REGIÕES BRASILEIRAS
Visits
2294
Natalia Ribas Capuano, Caroline Oliveira da Silva, Amanda Oliva Spaziani
Universidade Brasil, Fernandópolis, SP, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 25. Issue S1

12° Congresso Paulista de Infectologia

More info
Full Text

Introdução: Febres hemorrágicas virais denominam‐se uma série de doenças virais, como arboviroses, que ocorrem em todo o mundo e apresentam sintomas de febre e hemorragia. São causadas por 4 tipos diferentes de vírus RNA e, por serem zoonoses, são transmitidas por artrópodes ‐ insetos e aracnídeos. São doenças graves, com alta letalidade, que induzem distúrbios hemorrágicos como extravasamento de fluidos, plaquetopenia e o consumo de fatores de coagulação, acometendo órgãos importantes como fígado, rins e sistema nervoso central.

Objetivo: Apresentar os índices de mortalidade ocasionada por febres por arboviroses e por febres hemorrágicas virais por idade segundo as 5 regiões brasileiras Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro Oeste, entre 2013 e 2017.

Metodologia: Foi realizado um levantamento sobre a mortalidade por febres por arboviroses e por febres hemorrágicas virais em relação à idade no Datasus referente às regiões Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro‐Oeste durante o período de 2013 a 2017.

Resultados: De acordo com os dados do Datasus, em 2013, o total de óbitos foi de 723, sendo 306 no Sudeste, apresentado o maior índice, e 32 no SUL, com o menor índice, nas idades entre 50‐59 anos. Em 2014, o total foi de 537 obitos, sendo o maior índice de 192 no Sudeste, e o menor no SUL, com 25 óbitos, entre 40‐49 anos. Em 2015, totalizaram 1063 óbitos, sendo 583 na região Sudeste, e 26 no SUL, em indivíduos com mais de 80 anos. Em 2016, o total de mortes foi de 1372, sendo o Nordeste a região com maior índice, apresentando 607 mortes, e o menor no Norte, com 35, em indivíduos com mais de 80 anos. Por fim, em 2017, o total de mortes foi de 824, sendo o Sudeste com 355, e SUL, 5, também em indivíduos com mais de 80 anos.

Discussão/Conclusão: O número de óbitos aumentou significativamente até 2016, apenas diminuindo em 2017. O Sudeste foi a região com maior índice, exceto em 2016, em que a região Nordeste prevaleceu; e o menor índice de mortes foi do SUL em todos os anos, exceto em 2016, em que o Norte prevaleceu. Evidencia‐se, portanto, que tais doenças têm se tornado importantes ameaças em regiões tropicais devido as mudanças climáticas frequentes, desmatamentos e precariedade de condições sanitárias, favorecendo a transmissão viral. Diante disso, a Vigilância em Saúde necessita realizar ações de práticas de prevenção, realizando debates para resolução do problema.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools