Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐040
Open Access
IMPACTO DA MORTALIDADE POR COVID‐19 EM HOSPITAL DE ALTA COMPLEXIDADE CONSIDERANDO EPIDEMIOLOGIA E DEFINIÇÃO DE DIAGNÓSTICO NA EMERGÊNCIA
Visits
...
Bruno Pinheiro Aquino, Rafael Ferreira Mesquita, Lia Cordeiro Bastos Aguiar, Ana Maria Luna Neri Benevides, Ana Livia Gomes Moreira, Marllan Louise Matos Rodrigues, Andrielly Pereira de Sousa Santos, Francisco Breno Ponte de Matos, Nina Brunet Saraiva Rodrigues Ponte, Melissa Soares Medeiros
Hospital São Camilo de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A OMS declarou a epidemia de COVID‐19 como uma pandemia em 12 de março de 2020. De acordo com um estudo da China, cerca de 80% dos pacientes apresentam doença leve e a taxa geral de letalidade é de 2,3%, mas atinge 8,0% em pacientes com idades entre 70 e 79 anos e 14,8% em pacientes com idade> 80 anos.

Objetivo: Avaliar a resposta de um hospital geral privado durante a pandemia de Covid‐19 no Brasil no período de 22 de maio a 29 de outubro de 2020 e seu impacto na mortalidade.

Metodologia: Levantamento de dados retrospectivos de unidade hospitalar privada de alta complexidade, comparando taxas de mortalidade entre unidades com e sem Covid‐19.

Resultados: Número total de pacientes atendidos com suspeita de Covid‐19 foi de 914, sendo confirmados por PCR em swab nasofaringeo 528 casos (57,7%). Foram encaminhados para isolamento domiciliar 207 pacientes. A taxa de mortalidade foi de 16,3% (n=149). Chegaram à emergência em estado grave 19,5% (n=178) dos pacientes, necessitando suporte de oxigenoterapia de urgência, sendo 133 em ventilação mecânica ou terapia não invasiva (máscara de reservatório e alto fluxo). Idade média 54,2 (1‐102) anos. Comparando unidades que receberam pacientes com suspeita ou confirmação de covid‐19, quanto a mortalidade em unidade aberta não covid‐19 foi de 5% e Unidades Covid‐19 enfermaria foram de 6,9%, 5,7% e 7,4% (3 unidades). Mortalidade em UTI não Covid‐19 foi 10,4% e nas unidades Covid‐19 respectivamente UTI 1, UTI 2, UTI 3 e UTI 4 foi de 18,1%, 17%,16,7% e 22,7%. Uma unidade não covid‐19 apresentou infecção cruzada durante internação de paciente sem suspeita inicial de Covid‐19, com mortalidade de UTI 30,8%. Nas UTIs pediátricas e neonatal a mortalidade foi de 5,1%.

Discussão/Conclusão: Evidenciou‐se elevada taxa de pacientes que chegavam em estado grave a emergência, necessitando de suporte ventilatório e resposta rápida da equipe multiprofissional, definindo as medidas de treinamento desta e fluxo de encaminhamento para unidades específicas. Observamos mortalidade maior nas unidades Covid‐19 tanto nas enfermarias quanto UTIs e maior risco de mortalidade quando o diagnóstico de Covi‐19 não é suspeitado pela equipe de entrada.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools