Journal Information
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
PI 216
Full text access
IMPACTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE BUNDLES DE PREVENÇÃO DE INFECÇÕES RELACIONADOS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRANSPLANTE DE FÍGADO: RESULTADOS DE ESTUDO QUASE-EXPERIMENTAL DE CENTRO ÚNICO BRASILEIRO
Visits
1586
Carolina Devite Bittante Gonçalvesa, Lúcio R. Requião-Mouraa,b, Fernando Gatti de Menezesa, Silvia Regina Morgadoa, Marcelo Bruno de Rezendea, Guilherme Eduardo Gonçalves Felgaa, Luci Corrêac, Luis Fernando Aranha Camargoa,c
a Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil
b Disciplina de Nefrologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, SP, Brasil
c Disciplina de Infectologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, SP, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 26. Issue S1
More info
Introdução

As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) são um grande problema de saúde pública e evidências têm demonstrado que a adoção de medidas de prevenção de IRAS (bundles) reduz a sua incidência, mas em populações de alto risco para infecções, como os transplantados, a eficiência dessas medidas tem sido pouco mensurada.

Objetivo

Avaliar o impacto da implementação de bundles de prevenção de IRAS na sua ocorrência entre pacientes transplantados de fígado (TxF). Metodologia: estudo do tipo quase-experimental com 1.479 pacientes submetidos à TxF no período de 2002-14. Os pacientes foram divididos em dois grupos: pré (jan/02 a abr/07; n = 519) e pós implementação dos bundles (mai/07 a dez/14; n = 960). O desfecho primário: incidência de casos de IRAS e taxas de densidade de incidência (TDI) de cada IRAS separadamente: infecções de corrente sanguínea (ICS, associadas ou não à cateter - CVC), infecções do trato urinário (ITU), associadas ou não à dispositivo, pneumonias associadas à ventilação (PAV) ou não (BCP) e infeções de sítio cirúrgico (ISC). Preditores de IRAS foram avaliados por regressão logística e a capacidade discriminatória do modelo foi avaliada por AUC-ROC.

Resultados

Após a implantação dos bundles a incidência de casos de IRAS reduziu de 38,3% para 17,2% (P < 0,001), e a TDI reduziu de 21,7 para 10,6/1000 paciente-dia (P < 0,001). Houve redução significativa nas TDI de ICS-CVC (2,76 vs. 1,30) e de PAV (12,3 vs. 1,85, P < 0,001), e na incidência de ISC (15,4 vs. 8,43, P < 0,001). Houve também redução nas TDI de ICS não associadas à CVC (1,81 vs. 0,51, P<0,001) e de BCP (2,85 vs. 1,54, P = 0,009). Não houve reduções significativas nas ITU. De forma independente, observou-se associação entre IRAS e as seguintes variáveis: MELD = 21-29 (OR = 1,50; P = 0,02) e MELD > 29 (OR = 2,61; P < 0,001), tendo-se como referência MELD < 21; hemodiálise (OR=1,69; P=0,001); nutrição parenteral (OR = 2,07; P = 0,001); traqueostomia (OR = 6,78; P < 0,001); reabordagem cirúrgica abdominal (OR = 2,89; P < 0,001); e implementação dos bundles (OR = 0,26; P < 0,001). O modelo apresentou poder discriminatório moderado: AUC-ROC = 0,78, IC95% = 0,75-0,80, P < 0,001.

Conclusões

A implementação dos bundles de prevenção de IRAS em pacientes TxF reduziu de forma significativa a incidência de casos de IRAS, bem como das TDI de ICS, de pneumonias e de ISC. A adoção dessas medidas reduziu em 74% o risco do desenvolvimento de IRAS, demonstrando-se eficiente, mesmo em um população de alto risco para infecções.

Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools