Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 87-88 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 87-88 (December 2018)
EP‐104
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.166
Open Access
ENDOCARDITE FÚNGICA POR TRICHOSPORON ASAHII: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA
Visits
...
Arthur Manzani Fernandes, Thaís C.F. Pacheco, Ermeson F.R. Ramos, Dulce A.S. Cavalcante, Elisa D.T. Mendes, André Giglio Bueno, Maria P.J.S. Lima
Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC‐Campinas), Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 10 ‐ Horário: 13:30‐13:35 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: Infecções fúngicas invasivas por leveduras não Candida sp são raras, porém apresentam maior incidência nas últimas décadas, devido ao aumento da população imunodeprimida. Trichosporon asahii é um fungo ubíquo na natureza, faz parte da flora humana, causa usualmente infecções cutâneas e autolimitadas, mas, como é um patógeno oportunista, tem o potencial de causar infecções invasivas e potencialmente fatais em população imunodeprimida como neutropênicos, transplantados, com Aids, entre outros.

Objetivo: Relatar um caso de endocardite fúngica por Trichosporon asahii em paciente com prótese cardíaca valvar e fazer revisão da literatura sobre o tema.

Metodologia: Paciente do sexo masculino, 50 anos, com internação prolongada de 60 dias após complicações intra e pós‐operatórias em cirurgia de dupla troca valvar por próteses biológicas devido a sequelas de endocardite bacteriana prévia. Após dois meses, apresentou‐se com febre, astenia, confusão mental, poliartralgia e petéquias, foi iniciada antibioticoterapia empírica com Vancomicina e Gentamicina. Após seis dias, com hemoculturas positivas para Trichosporon asahii, foi trocado o antibiótico por Voriconazol endovenoso. Após 15 dias, teve hemorragia digestiva alta e baixa por úlcera de ceco, tratada colonoscopicamente. Manteve‐se estável até o 58° dia de internação, quando devido a febre persistente de foco indeterminado foi aberto protocolo de sepse e foram iniciados Vancomicina e Meropenem. Após 72 dias de internação e ao término de antibiótico, apresentou‐se estável, assintomático, feitas suspensão do Voriconazol e alta hospitalar. Após dois meses, retornou com astenia, febre e hipotensão, foi aberto protocolo de sepse e foram iniciados Vancomicina e Cefepime, evoluiu com insuficiência respiratória.

Discussão/conclusão: As fungemias por T. asahii têm emergido em pacientes com outros fatores de risco, como o antecedente de troca valvar, pode tal fato estar relacionado ao avanço em diagnóstico microbiológico, maior sobrevida de pacientes com distúrbios graves ou em terapia imunossupressora, com mais dias de internação e uso frequente de antibiótico de amplo espectro. Segundo a literatura, há maior prevalência em homens idosos, com taxa de mortalidade entre 60 a 83%, perfil e evolução concordantes com o caso. Sobre o tratamento, testes mostram maior atividade in vitro dos triazólicos em relação à anfotericina B, optou‐se pelo uso de voriconazol. Alerta‐se à susceptibilidade de outro perfil de pacientes a essas infeções, como após cirurgia cardíaca de troca valvar.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.