Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐216
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101294
Open Access
COMPLICAÇÕES DO INÍCIO DA TERAPIA ANTIRRETROVIRAL EM PACIENTE COM DOENÇA AVANÇADA POR HIV‐1
Visits
...
Giuliane Bogoni, Daniel Soares de Sousa Dantas
Instituto de Infectologia Emílio Ribas, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O início da terapia antirretroviral, pode ter complicações, especialmente em pacientes com imunossupressão grave causada pelo vírus da imunodeficiência humana. A síndrome de reconstituição imune pode acontecer nos primeiros seis a doze meses após a introdução dos antirretrovirais. Frequentemente está associada com tuberculose e a principal manifestação clínica é febre. O diagnóstico é clínico e desafiador pois não existem exames complementares que comprovem a hipótese. O tratamento pode ser sintomático para os casos leves, ou com uso de corticosteroides nos casos mais graves.

Objetivo: Descrever caso típico de síndrome de reconstituição imune em paciente que iniciou tratamento antirretroviral recentemente.

Metodologia: Homem, 25 anos, admitido com falta de ar há duas semanas, atualmente ao repouso. Febre diária aferida em 38°C. Perda de peso não quantificada. Dor abdominal e vômitos pós prandiais. Diagnóstico de HIV no ano anterior, iniciado tenofovir, lamivudina e dolutegravir 35 dias antes da admissão. Apresentava‐se emagrecido, pálido e desidratado. FC 120 bpm, PA 90/70mmHg, FR 20 irpm, SPO2 90%. Fígado palpável a 4cm do rebordo costal direito, doloroso, sem esplenomegalia. À oroscopia placas brancas na mucosa jugal. Exames laboratoriais hemoglobina 8,2mg/dL, leucócitos 5.800/μL (200 metamielócitos, 200 bastonetes, 4.400 segmentados, 500 linfócitos e 500 monócitos). Plaquetas: 221.000/μL. Desidrogenase lática: 1.279 Ui/L. Carga viral para HIV não detectável, linfócitos TCD4 18 células/μL. Possuía linfócitos TCD4 de 41 células/μL, antes do início dos antirretrovirais sem dosagem de carga viral do HIV prévia. Tomografia computadorizada de tórax e abdome demonstra adenomegalias mediastinais, subcarinais e abdominais com necrose central, pulmão com micronódulos bilaterais difusos no parenquima. Hepatoesplenomegalia e microabscessos esplênicos e hepáticos.

Lavado broncoalveolar detecta Mycobacterium tuberculosis sensível a rifampicina pelo teste rápido molecular. Culturas do lavado broncoalveolar e sangue periférico, crescimento de Mycobacterium tuberculosis sensível à rifampicina e isoniazida pela técnica de hibridação com sonda em linha (LPA).

Discussão/Conclusão: O diagnóstico do paciente foi síndrome de reconstituição imune desmascarada, associada a tuberculose disseminada (pulmonar e ganglionar), após início de terapia antirretroviral, sem diagnóstico prévio da tuberculose.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools