Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 135 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 135 (December 2018)
EP‐195
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.257
Open Access
CARACTERIZAÇÃO DAS INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO
Visits
...
Mariana Sciannelli Natel, Valdes Roberto Bollela, Gilberto Gambero Gaspar
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 7 ‐ Horário: 13:58‐14:03 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: As infecções do trato urinário (ITU) são a terceira principal causa de infecções associadas ao ambiente hospitalar, em que há uma prevalência de agentes etiológicos e perfil de sensibilidade diferentes dos microrganismos causadores das ITUs da comunidade.

Objetivo: Caracterizar os agentes etiológicos das ITU de pacientes internados nas enfermarias de um hospital de alta complexidade, avaliar a prevalência das espécies bacterianas e seu perfil de susceptibilidade aos antimicrobianos.

Metodologia: Foram analisadas, retrospectivamente, 61 uroculturas positivas de 57 pacientes com critérios para ITU nosocomial, de novembro de 2016 a fevereiro de 2017.

Resultado: A maioria dos pacientes (56,1%) era mulher. A idade média foi de 55,7 anos, 56,2% tinham mais de 60 anos. Em relação às comorbidades, a hipertensão arterial sistêmica (43,8%), neoplasias (24,5%), diabetes mellitus (22,8%) e doença renal crônica (19,3%) foram as quatro mais frequentes. O tempo de internação médio desses pacientes foi de 41,84 dias e o tempo médio de internação até o diagnóstico clínico da ITU foi de 20,8 dias. Em relação aos fatores de risco, 17,5% dos pacientes fizeram procedimentos urológicos, 26,2% estavam em uso de imunossupressores, 31,6% estavam em sondagem vesical de demora, 36,8% tinham uma internação prévia e 70,5% fizeram uso de antibiótico nos últimos 90 dias. O principal agente encontrado foi a Klebsiella pneumoniae (37,7%), seguida de Escherichia coli (31,1%) e Enterococcus faecalis (8,2%). Os agentes isolados, de modo geral, mostraram baixa sensibilidade às cefalosporinas, drogas bastante prescritas no ambiente hospitalar: 42,85% a cefuroxima, 43,5% a ceftriaxona e 44,4% ao cefepime. As drogas mais ativas contra os agentes isolados foram meropenem (76,37%), gentamicina (75%) e amicacina (88,2%). As quinolonas de segunda geração, muito usadas para ITUs da comunidade, apresentaram baixa sensibilidade, 41,7% para norfloxacino e 46% para ciprofloxacino. Cerca de dois terços dos pacientes (63,2%) tiveram boa evolução e receberam alta hospitalar, o restante evoluiu para óbito. Dos 36,8% restantes que tiveram como desfecho o óbito, 25% foram relacionados com a infecção hospitalar.

Discussão/conclusão: Com esses resultados, deve‐se evitar o uso de quinolonas e cefalosporinas, inclusive as de quarta geração, no manejo de ITU nosocomial para pacientes em estado crítico neste hospital. Nesse contexto, uso de aminoglicosídeos ou carbapenêmicos parece ser o mais seguro e indicado.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.