Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
OR‐14
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101059
Open Access
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE IMIPENEM‐RELEBACTAM E COMPARADORES PARA BACTÉRIAS GRAM‐NEGATIVAS CAUSADORAS DE INFECÇÃO RESPIRATÓRIA NO BRASIL: RESULTADOS DO ESTUDO PARA MONITORAMENTO DE TENDÊNCIAS DE RESISTÊNCIA A ANTIMICROBIANOS (SMART), 2018‐2019
Visits
...
Elisa Maria Beirão, Suellen da Silva Rodrigues, Thales Jose Polis, Tarik Klain de Andrade, Ana Paula Lobo Jatene, Telma D. Carniato, Ana Cristina Gales
MSD
Article information
Full Text

Sessão: TEMAS LIVRES | Data: 02/12/2020 ‐ Sala: 1 ‐ Horário: 18:25‐18:35

Introdução: Os hospitais brasileiros têm evidenciado o aumento crescente em infecções causadas por bactérias multidroga resistentes, evidenciando a necessidade de novas opções terapêuticas. Imipenem‐relebactam é a combinação de um carbapenêmico com o relebactam, um novo inibidor de beta‐lactamase com ação contra bactérias produtoras de carbapenemase.

Objetivo: Avaliar o perfil de sensibilidade de imipenem‐relebactam e comparadores contra isolados de infecção de hospitais brasileiros.

Metodologia: 602 amostras consecutivas e não‐duplicadas de bactérias Gram‐negativas foram isoladas de pacientes adultos, internados a mais de 48 horas, com infecção respiratória, coletadas entre 2018‐2019 em 7 hospitais no Brasil para o estudo SMART. A concentração inibitória mínima foi determinada por microdiluição em caldo para imipenem‐relebactam e 13 antimicrobianos comparadores; o perfil de susceptibilidade foi determinado de acordo com a metodologia definida pelo EUCAST.

Resultados: P. aeruginosa (PSA) foi o microorganismo mais frequentemente isolado (n=158), seguido por K. pneumoniae (KPN, n=111), Enterobacter spp. (n=52) e Serratia marcescens (n=47). Os antibióticos que apresentaram atividade superior a 80% contra as cepas de PSA foram colistina (CST: 99,4%), ceftolozana‐tazobactam (C‐T: 88,0%), ceftazidima‐avibactam (CAZ‐AVI: 85,4%), amicacina (AMK: 84,8%), e imipenem‐relebactam (IMI‐REL) com menor taxa de sensibilidade (77,2%). As cepas de KPN apresentaram taxas maiores de sensibilidade a IMI‐REL, CAZ‐AVI e AMK (97,3%, 97,3%, 89,8%), que se mantiveram nas cepas produtoras de ESBL (IMI‐REL: 96,3%, CAZ‐AVI: 96,3%, AMK: 85,2%,); produtoras de carbapenemase (IMI‐REL: 94,4%, CAZ‐AVI: 94,4%, AMK: 87,0%) e cepas resistentes a colistina (CAZ‐AVI: 100,0%, IMI‐REL: 95,8%, AMK: 79,2%). Enterobacter spp. apresentou sensibilidade a CAZ‐AVI (98,1%), IMI‐REL (94,2%), AMK (94,2%), imipenem (90,4%) e levofloxacino (80,8%), e S. marcescens apresentou o perfil de sensibilidade mais favorável com sensibilidade a IMI‐REL (100%), CAZ‐AVI (100,0%), ertapenem (93,6%), AMK (87,2%), C‐T (85,1%), ceftazidima (83,0%) e piperacilina‐tazobactam (83,0%).

Discussão/Conclusão: Imipenem‐relebactam demonstrou excelente ação contra as bactérias responsáveis por infecções respiratórias relacionadas a assistência à saúde no Brasil, mantendo ação em cepas com resistência a múltiplos antibióticos.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools