Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐266
Full text access
ABORDAGEM FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA NO MONITORAMENTO TERAPÊUTICO DE VANCOMICINA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS PÓS‐TRANSPLANTE HEPÁTICO: SÉRIE DE CASOS
Visits
2373
Ronaldo Morales Junior, Vanessa D. Amaro Juodinis, Daniela Carla de Souza, Ariela Oliveira do Carmo Albuquerque, Cynthia Regina Chacon Benis, Susana Cristina Oliveira, Karina Fonzar Braga, Silvia Regina Cavani Jorge Santos
Hospital Sírio‐Libanês, São Paulo, SP, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 25. Issue S1

12° Congresso Paulista de Infectologia

More info
Full Text

Introdução: Pacientes pediátricos pós‐transplante hepático apresentam risco elevado de infecção e frequentemente recebem antimicrobianos de amplo espectro, no mesmo esquema posológico utilizado em outras condições críticas. Nessa população as múltiplas alterações fisiopatológicas podem alterar também os parâmetros farmacocinéticos.

Objetivo: O objetivo deste estudo foi analisar a eficácia microbiológica da vancomicina por meio de uma abordagem farmacocinética‐farmacodinâmica (PK/PD).

Metodologia: Série de casos com quatro pacientes pós‐transplante hepático, com função renal preservada, os quais foram incluídos para o monitoramento de vancomicina baseado na abordagem PK/PD entre janeiro e setembro de 2020. O sangue foi coletado na 2ª e 6ª hora do início da infusão no estado estacionário. A cobertura antimicrobiana e os parâmetros farmacocinéticos foram estimados após a dose empírica de 10‐15mg/kg/dose q6h utilizando o modelo de um compartimento com cinética de primeira ordem. O alvo terapêutico foi definido pela razão entre a área sob a curva (ASCss0‐24) e a concentração inibitória mínima (CIM): ASCss0‐24//CIM ≥ 400.

Resultados: Os parâmetros farmacocinéticos do paciente #1 (6 meses; 6,2kg), paciente #2 (7 meses; 4,9kg), paciente #3 (7 meses; 7,3kg) e paciente #4 (12 meses, 5,8kg) foram respectivamente, volume de distribuição (0,3 L/kg; 0,5L/kg; 1,1L/kg; 0,8L/kg), meia vida biológica (3,3h; 5,4h; 2,9h; 4,2h) e clearance da vancomicina (1,1mL/min*kg; 1,2mL/min*kg; 4,5mL/min*kg; 2,3mL/min*kg). Os parâmetros obtidos para cada paciente foram comparados aos valores reportados em voluntários sadios. Apenas o paciente #2 atingiu alvo terapêutico após a dose empírica. Os pacientes #1, #3 e #4 atingiram o alvo após o ajuste individualizado da posologia. Os pacientes #3 e #4 apresentaram clearance de vancomicina elevado, necessitando de aumento da dose empírica para atingir alvo (80mg/kg/dia); enquanto o paciente #1 apresentou menor clearance, necessitando de doses menores (30mg/kg/dia).

Discussão/Conclusão: Os parâmetros farmacocinéticos de vancomicina encontram‐se alterados nos pacientes pediátricos sépticos pós‐transplante hepático. O monitoramento baseado na abordagem PK/PD permitiu individualizar a terapia a partir de ajustes de dose em tempo real e pode garantir a eficácia do glicopeptídeo amplamente prescrito na terapia antimicrobiana destes pacientes.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools