Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐080
Open Access
PESQUISA DO VÍRUS SARS‐COV‐2 NO LÍQUOR DE PACIENTES COM MANIFESTAÇÕES NEUROLÓGICAS ASSOCIADAS À COVID‐19
Visits
...
Léo Freitas Corrêa, Maria da Glória, Tabata Araujo, Gaby Rangel, Gizelle Azevedo, Michaela de Jesus, Marcella Cristina, Priscila Jesus, Lorena Pereira, Carlos Otávio Brandão
Neurolife, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Manifestações neurológicas vêm sendo descritas na COVID‐19, especialmente nos indivíduos com doença grave. Neste cenário, a relação do vírus SARS‐CoV‐2 com estas síndromes neurológicas vendo sendo exaustivamente pesquisada.

Objetivo: Investigar o Líquido Cefalorraquiano (LCR) em pacientes com manifestações neurológicas associadas à COVID‐19.

Metodologia: 135 amostras, coletadas através da punção lombar, foram testadas para diferentes agentes infecciosos, incluindo RT‐PCR e pesquisa de anticorpos IgG para SARS‐CoV‐2.

Resultados: O exame do LCR, na maior parte dos casos, demonstrou poucas alterações (elevação dos níveis de proteínas totais foi o achado mais frequente). Pleocitose foi observada nos quadros sugestivos de meningoencefalites e mielites. A pesquisa de bandas oligoclonais IgG (BOC) foi detectada em alguns pacientes sugerindo processo inflamatório imunomediado e, em outros pacientes mostrou um perfil espelhado sugerindo processo inflamatório sistêmico associado. A presença do vírus SARS‐CoV‐2 no LCR foi detectada em um único caso de meningoencefalite aguda. O LCR deste paciente foi coletado no quarto dia dos sintomas da doença (diarreia, diplopias e diminuição do nível de consciência) e testou negativo na pesquisa de anticorpos realizada no LCR e no soro. Outro paciente com meningite aguda foi submetido à punção lombar no 15° dia de doença e testou positivo na pesquisa de anticorpos IgG no LCR, mas com RT‐PCR negativo.

Discussão/Conclusão: Alguns autores sugerem que as manifestações neurológicas podem ocorrer entre o primeiro e décimo quarto dia dos sintomas da COVID‐19 e, considerando o tempo entre o início da infecção e a punção lombar, o exame do LCR pode não detectar partículas virais, mesmo quando os pacientes testam positivos para o SARS‐CoV‐2 na secreção respiratória. A detecção do RNA viral, provavelmente poderá depender da carga viral, do momento da coleta da amostra e da sensibilidade dos testes utilizados. Como as manifestações neurológicas podem ocorrer em diferentes fases da doença, o exame do LCR pode não detectar partículas virais através do RT‐PCR, porém a pesquisa de anticorpos contra o SARS‐CoV‐2 pode ser útil para confirmar a exposição prévia ao vírus.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools