Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐238
Open Access
PERFIL CLÍNICO‐EPIDEMILÓGICO DA SÍFILIS CONGÊNITA MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
Visits
...
Cristiano Leonardo de Oliveria Dia, Dulce Aparecida Barbosa, Paula Hino, Hugo Fernandes, Mônica Taminato
Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Transmitida via placentária durante a gestação, a Sífilis Congênita (SC) acomete múltiplos sistemas e com desfechos negativos para o recém‐nascido e gestante inadequadamente tratadas.

Objetivo: Traçar o perfil clínico‐epidemiológico da sífilis congênita no Município de São Paulo.

Metodologia: Estudo descritivo, retrospectivo, com abordagem quantitativa. A coleta de dados foi realizada em banco de dados secundário dos Indicadores e Dados Básicos de Sífilis nos Municípios Brasileiros no período de 2010 a 2019. Parecer 2.645.902. As variáveis foram retiradas do banco de dados sem modificações. Os dados são apresentados em frequência absoluta e relativa.

Resultados: O estado de São Paulo, 2010 a 2019, notificou 26.782 casos de SC com taxa de detecção de 6,7 (por 1000 nascidos vivos) em 2017, no mesmo período, o município e São Paulo notificou 8.802 casos de SC e taxa de detecção de 7,1. Houve um aumento de 120,4% no número de casos de 2010 a 2018 e com as taxas acima das recomendadas pelos órgãos de saúde, taxas ≤ 0,5 por mil nascidos vivos. Em relação à faixa etária, 97,5% das crianças tinham menos de sete dias de vida. A classificação clínica: SC recente: 7661 casos (87,0%), SC tardia: 8 casos (0,09%), Aborto por sífilis: 728 casos (8,2%), Natimorto por sífilis: 424 casos (4,8%). 59,9% das gestantes estavam na faixa etária dos 20 aos 29 anos, observou‐se que 2.231 (25,3%) gestantes tinham entre 10 e 19 anos de idade, dado preocupante, pois são adolescentes gravidas e infectadas. A baixa escolaridade (5ª a 8ª series incompletas) estava presente em 16,7% das gestantes. Foi possível constatar que as crianças com SC as 70,5% das gestantes fizeram pré‐natal, o que sinaliza baixa cobertura; o diagnóstico da sífilis gestacional aconteceu em 51,4% durante o pré‐natal, 44,0% durante parto e curetagem, 2,6% após o parto, o que é possível verificar falhas na assistência de pré‐natal. O tratamento das gestantes cujos recém‐nascidos foram diagnosticados com SC, foi considerado inadequado em 49,9% dos casos. 6.509 (73,95%) parceiros das gestantes não fizeram o tratamento. Ocorreram 47 óbitos em menores de um na série histórica, com coeficiente bruto de mortalidade de 6,2 (por 100 mil nascidos vivos) em 2016.

Discussão/Conclusão: O perfil clínico‐epidemiológico da sífilis congênita é fundamental para estabelecer estratégias, identificar falhas na assistência ao pré‐natal e com isso reduzir ou eliminar a transmissão placentária, se não evitar complicações tardias graves para a criança.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools