Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 85 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 85 (December 2018)
EP‐100
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.162
Open Access
PASTEURELLA CANIS EM NEONATO: RELATO DE CASO CLÍNICO
Visits
...
Alexandre Mestre Tejo, Danielle R. Miyazawa Ferreira, Natalia Correia Silva, Jaqueline Dario Capobiango
Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 9 ‐ Horário: 13:51‐13:56 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução:Pasteurella spp. são cocobacilos gram‐negativos, anaeróbios facultativos, colonizadores e/ou patógenos do trato respiratório de animais – principalmente gatos e cachorros. No entanto, podem causar infecções em seres humanos, cuja transmissão pode ocorrer através de mordida, arranhões ou pelo contato com mucosas, principalmente respiratória.

Objetivo: Relatar um caso de infecção por Pasteurella canis identificada em neonato em um hospital universitário no Sul do Brasil.

Metodologia: RN masculino, nascido via parto cesáreo com 34sem6dias, Apgar 3/6/8 e peso 2.380g, com necessidade de Bipap e suporte de UTI devido a desconforto respiratório. Raios X de tórax inicial evidenciaram borramento pericárdico à direita. Devido a Streptococcus em swab materno, foi coletada hemocultura e iniciadas penicilina cristalina + gentamicina. Exame coletado com 12h de vida mostrava hemograma com desvio à esquerda (1% mielócitos, 4% metamielócitos e 49% bastões), plaquetas 203mil e PCR 32mg/L. No 3° dia de vida, evoluiu com melhoria clínica e colocado em ar ambiente. Repetido raios X, manteve hipotransparência à direita. Hemograma de controle demonstrou melhoria do desvio à esquerda, plaquetopenia (52 mil) e PCR 12mg/L. LCR sem alteração. No 4° dia, identificado crescimento de Pasteurella canis em hemoculturas iniciais. O paciente permanecia estável, afebril e o tratamento com penicilina+gentamicina foi mantido até o 8° dia. Recebeu alta no 12° dia, para acompanhamento ambulatorial.

Discussão/conclusão: A pasteurellose é o isolamento da Pasteurella spp em órgãos ou fluidos corporais estéreis. Há relato de três casos de bacteremia e apenas um de pneumonia por Pasteurella canis publicados. A transmissão neonatal ocorre por duas vias: infecção genital, com ascensão da bactéria até o útero, e passagem transplacentária; ou infecção materna, na qual se comporta como patógeno oportunista. Nakwan et al. mostraram que a transmissão vertical é importante rota de infecção na população neonatal – seja intrauterina ou durante o parto. Essa é definida pela evidência de infecção materna por Pasteurella spp. ou pelo diagnóstico de pasteurellose em recém‐nascido com menos de 72h sem história de exposição a animais. Em nosso caso, não houve a confirmação de infecção materna, mas sim da infecção neonatal pela identificação da P. canis em hemocultura das primeiras horas de vida. A tratamento de escolha em crianças é a penicilina, associada aos aminoglicosídeos (sinergismo), por sete a 10 dias para infecções locais e 14 dias para bacteremia neonatal e meningite

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.