Journal Information
Vol. 26. Issue S2.
(September 2022)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 26. Issue S2.
(September 2022)
OR-09
Open Access
IMPACTO DAS AÇÕES DO SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CONTROLE DE MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES NAS UTIS DE UM HOSPITAL TERCIÁRIO DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19
Visits
1137
Katiane Garghetti Felix, Christiano Bortolon, Kelvi Diniz Rodrigues, Mario Aparecido Malatesta Junior, Fabio de Carvalho Mauricio, Tatiana Gozzi Panc Toledo, Fabio Leaes Leite, Eduardo Alexandrin Medeiros
Hospital Santa Helena S/A, Santo André, SP, Brasil
This item has received

Under a Creative Commons license
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 26. Issue S2
More info
Introdução

Com a pandemia de COVID-19 o Serviço de Controle de Infecções Hospitalares (SCIH) além do desafio em lidar com os fluxos relacionados a COVID-19 e orientações de prevenção para pacientes e colaboradores, também enfrentou a disseminação de microrganismos multirresistentes causadoras de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS).

Objetivo

Avaliar o impacto das ações adotadas na redução de microrganismos multirresistentes (MDR) e no consumo de antimicrobianos (ATM) nas unidades de terapia intensiva (UTIs) durante a pandemia de COVID-19.

Método

As ações ocorreram em duas UTIs destinadas a pacientes com diagnóstico de covid-19 de um hospital de nível terciário de assistência à saúde. Foram avaliadas a densidade de incidência de MDR da instituição no período pandêmico e seu comportamento durante a segunda onda, a partir de fevereiro/2021. A intensificação das medidas de controle ocorreu entre 01/06 e 31/08/2021 e incluíram treinamentos voltados à higiene das mãos, uso correto de EPI, monitoramento da higiene ambiental, auditoria por 4 semanas da higiene terminal das UTIs (n = 9), com aplicação de marcadores fluorescentes em 259 pontos definidos pelo SCIH, instituição do banho diário com clorexidina degermante 2% (n = 116), coletas semanal de swab anal avaliação de colonização por MDR (n = 169) e intensificação diária do Programa de Antimicrobial Stewardship nas UTIs.

Resultados

Em 2020, a densidade de infecções por K. pneumoniae foi de 1,1 por 1.000 pacientes/dia; P. aeruginosa zero e A. baumannii 0,1, com significativo crescimento entre fevereiro e julho/2021: 2,3; 2,1 e 2,6, por 1.000 pacientes/dia. A auditoria da higiene ambiental da UTI evidenciou 56% de adesão global, enquanto a análise dos pontos individualizados apresentou efetividade de 71%. A adesão dos profissionais das UTI aos treinamentos ministrados foi de 90%. A dose diária definida de antibióticos das UTIs passou de 3.528 para 1.721, após intervenção direta do infectologista nas UTI COVID-19. A colonização por KPC isolada em swab anal (pesquisa de colonização) foi de 7% em junho, 5,6% em julho e 0% em agosto. A colonização por enterococo resistente à vancomicina foi de 24,5% em junho, 16,9% julho e 3,7% agosto. Não identificamos MDR nas infecções notificadas em agosto, novembro e dezembro/2021, setembro 8,2%, outubro 7,5%.

Conclusão

As ações de prevenção de infecção e o Programa de Antimicrobial Stewardship tiveram importante impacto para a redução dos MDR e do consumo de ATM nas UTIs de internação de pacientes com COVID-19.

Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools