Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐292
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101370
Open Access
ESTUDO SOBRE A PREVALÊNCIA PONTUAL DO CONSUMO DE ANTIMICROBIANOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO INTERIOR DE SÃO PAULO
Visits
...
Beatriz do Prado Z. Criniti, Rafael Antunes Moraes, Ligia Campozana Germek, Ana Cristina Gales, Ricardo Mastrangi Ribeiro, Leandro César Mendes
Universidade São Francisco (USF), Bragança Paulista, SP, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: CNPQ

Nr. Processo: CAAE: 09118819.3.0000.5514

Introdução: Na prática clínica, em unidades de saúde mundiais, agentes antimicrobianos são usados em larga escala recorrentemente.

Objetivo: Reconhecer o perfil de prescrição de antibioticoterapia para sugerir medidas que melhorem sua qualidade e aumentar a taxa de acertos quanto ao correto uso de antibióticos em ambiente hospitalar.

Metodologia: O presente estudo analisou o perfil de consumo de antibióticos mediante metodologia padronizada, em um hospital no interior do estado de São Paulo.

Resultados: Verificou‐se um total de 112 leitos, 32,14% dos pacientes internados recebiam tais medicamentos. Pode‐se notar que, enquanto em alguns setores não havia pacientes com tal prescrição, em outros, mais da metade dos pacientes encontrava‐se em uso de algum antimicrobiano. Apenas 44,4% dos tratamentos com antibióticos aderiram aos guias locais do Serviço de Controle de Infecções Hospitalares. Dos antibióticos utilizados, 46,42% de todos os prescritos (56 no total), eram betalactâmicos. A razão terapêutica estava presente em apenas 8 dos 36 prontuários (22,23%), e o tempo previsto para a duração da terapia estava presente em 72,23% dos casos.

Discussão/Conclusão: Destarte, o estudo apontou que, mesmo dada a eficácia do tratamento com antimicrobianos, a principal questão relacionada à falha terapêutica ocorre devido a erros de administração ou de prescrição apropriada. Concluiu‐se que os principais erros tangentes à boa prescrição de antimicrobianos foram: a ausência de descrição da razão da terapia iniciada, a revisão dos casos clínicos para avaliar continuação ou suspensão do tratamento, o seguimento dos protocolos terapêuticos locais, e o direcionamento microbiológico por culturas ou TSA.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools