Journal Information
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Full text access
CRIPTOCOCOSE: ASPECTOS CLÍNICOS E CARACTERIZAÇÃO DOS ISOLADOS FÚNGICOS DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAL REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ
Visits
398
Antônio Mauro Barros Almeida Júniorc,
Corresponding author
antoniomaurojr@yahoo.com.br

Corresponding author.
, Marcos de Abreu Almeidab, Vanessa Brito de Souza Rabellob, Rodrigo Almeida Paesb, Rosely Maria Zancope Oliveirab, Johnny do Nascimento Britoa, Liana Ferreira Magalhãesa, Letícia Sampaio Maciela, Lucas de Oliveira Pontesa, Vitor Cavalcante Guedesa, Maria Tereza Pontes Machadoa, Lisandra Serra Damascenoc
a Centro Universitário Unichristus; Fortaleza, CE, Brasil
b INI ‒ Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
c Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 27. Issue S1

XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia

More info
Introdução/Objetivo

Criptococose é a infecção causada a partir da inalação de leveduras do gênero Cryptococcus e tem distribuição mundial. A maior ocorrência se dá em pessoas imunossuprimidas, manifestando-se geralmente como meningoencefalite ou de forma disseminada. A mortalidade é elevada, mesmo utilizando-se tratamento adequado. O objetivo deste estudo foi identificar os aspectos clínicos de pacientes acompanhados em um serviço de referência, e caracterizar molecularmente os isolados fúngicos.

Métodos

Estudo de coorte prospectivo de pacientes com diagnóstico de criptococose, internados no Hospital São José (HSJ), em Fortaleza/Ceará, no período de outubro de 2020 a junho de 2023.

Resultados

No período do estudo foram incluídos 48 pacientes; 81,2% (39/48) eram pacientes do sexo masculino. A maioria (93,7%) apresentava quadro de meningoencefalite criptocóccica e três pacientes apresentavam criptococose disseminada, sem acometimento neurológico. Cerca de 91,6% (44/48) apresentavam diagnóstico de infecção pelo HIV e a mediana de contagem de linfócitos T CD4+ foi de 34 células/mm3. Dois pacientes apresentavam outros fatores de imunossupressão como uso crônico de corticoide e diabetes mellitus. Em dois pacientes não foram identificadas causas de imunossupressão. Óbito foi o desfecho de 11 (23%) pacientes. Dois pacientes que foram a óbito apresentavam outras infecções oportunistas como histoplasmose disseminada e meningite tuberculosa. Em 15 pacientes foi realizada a titulação do Antígeno Criptocócico (CrAg) no líquor. Os títulos variaram entre 1:80 a 1:163840. Onze pacientes obtiveram títulos de CrAg ≥1:1280. A identificação de 38 isolados fúngicos foi realizada pela técnica de MALDI-TOF, onde 92,1% (35/38) eram C. neoformans e 7,9% (3/38) eram C. gattii. Quanto à tipagem molecular, observou-se que 97,1% (34/35) das leveduras de C. neoformans eram da linhagem VNI; os isolados de C. gattii foram identificados como VGII.

Conclusão

Nesta casuística evidenciou-se que a criptococose acomete gravemente pessoas com imunossupressão avançada. Altos títulos de antígeno criptocócico podem ter influenciado nos óbitos. Observa-se ainda o isolamento de C. gattii VGII altamente virulento. Ratifica-se a importância de políticas de saúde específicas para estes grupos, visando diagnóstico precoce e diminuição dos óbitos e sequelas.

Palavras-chave:
Criptococose
Cryptococcus
Neurocriptococose
Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools