Journal Information
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Full text access
AVALIAÇÃO DE MANEJO E CONTROLE INSTITUCIONAL DE CLOSTRIDIOIDES DIFFICILE EM HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS DO BRASIL
Visits
434
Luiza Arcas Gonçalvesc,
Corresponding author
luiza.arcas@hc.fm.usp.br

Corresponding author.
, Ivan Lira dos Santosd, Denise Brandão de Assisb, Viviane Maria de Carvalho Hessel Diasa, Carlos Magno Castelo Branco Fortalezae, Eduardo Alexandrino Servolo de Medeirose, Thais Guimarãesc, Silvia Figueiredo Costac
a Associação Brasileira dos Profissionais em Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar e Sociedade Brasileira de Infectologia, Brasil
b Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”, São Paulo, SP, Brasil
c Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil
d Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
e Sociedade Paulista de Infectologia, São Paulo, SP, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 27. Issue S1

XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia

More info
Introdução

A infecção hospitalar por Clostridioides difficile é considerada uma das principais Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde, com impacto significativo em morbimortalidade, assim como nos custos hospitalares. A despeito de extensa literatura internacional, existem lacunas nos dados nacionais no que tange a abordagem diagnóstica, terapêutica e de controle de C. difficile. O presente trabalho objetiva avaliar a abordagem institucional e estruturação das CCIHs em relação à infecção por C. Difficile (CDI) em hospitais públicos e privados do país.

Método

Foi realizado um inquérito transversal com aplicação de questionário autorrespondido sobre estruturação institucional de CDI, incluindo diagnóstico, tratamento e controle institucional de CDI em hospitais brasileiros, para infectologistas e membros da CCIH. Além da descrição da estruturação das instituições, foram avaliadas associações entre características dos hospitais (natureza, complexidade e porte) e disponibilidade de diagnóstico laboratorial, orientação institucional de tratamento de CDI, existência de Programa de Stewardship de Antimicrobianos. As associações foram analisadas por meio do teste de Qui-Quadrado de Pearson e o teste exato de Fisher, com p<0,05 considerado estatisticamente significante.

Resultados

281 hospitais participaram do estudo, a maioria privado (n=153; 54,5%), com maior representatividade do estado de São Paulo (n=224; 79,7%). Cerca de 18% dos serviços não dispunham de realização de testes laboratoriais para confirmação diagnóstica, enquanto, o ELISA de Toxinas A e B foi o método mais empregado (n=117; 51,3%). Para CDI não grave, metronidazol oral foi a escolha na maioria dos hospitais (n=189; 67,5%), seguido de vancomicina oral (n=69; 24,6%). A existência do Programa de Stewardship, mais frequente entre hospitais de alta complexidade (p=0.,013), foi associada ao aumento da chance de existência de uma recomendação terapêutica oficial em análise bivariada (p<0,001) e à maior chance de realização de diagnóstico laboratorial de CDI em análise multivariada (p=0,026).

Conclusão

A indisponibilidade de exames laboratoriais e o predomínio de realização isolada de pesquisas de toxinas A e B podem constituir obstáculos para um controle efetivo da CDI no país, já a existência de um Programa de Stewardship foi associado positivamente ao seu manejo diagnóstico e terapêutico. Mais estudos são necessários para melhor compreensão do cenário de controle de CDI no país.

Palavras-chave:
Clostridioides difficile
CCIH
IRAS
Programa de Stewardship
Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools