Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐154
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101232
Open Access
ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS HEPATITES B E C EM IDOSOS DE UMA REGIÃO DO PARANÁ, BRASIL
Visits
...
Flávio Pasa Brandt, Lirane Elize Defante Ferreto, Valdir Spada Jr., Roberto Shigueyasu Yama
Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel, PR, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: As hepatites virais constituem doença de notificação compulsória e apresentam grande importância em nosso meio, devido à elevada prevalência e, especialmente, frente às mudanças no perfil demográfico brasileiro atual, denotado por maior longevidade da população brasileira e manutenção das condições crônicas.

Objetivo: Caracterizar o perfil epidemiológico e possíveis fatores de risco para as infecções por Hepatite B e C na população idosa da região Sudoeste do Paraná, Brasil.

Metodologia: Trata‐se de um estudo ecológico, descritivo e de abordagem quantitativa. Foram utilizados os dados de pacientes com 60 anos ou mais notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no período de 2007 a 2017, para as hepatites B e C, a partir de seus marcadores sorológicos para infecção ativa ou passada (no caso da Hepatite B, positividade para o Anti‐HBc total, com HBsAg reagente ou não; e para a Hepatite C, positividade para o Anti‐HCV ou HCV‐RNA). A região analisada abrange 27 municípios e uma população estimada de 400 mil habitantes. As características associadas às hepatites B e C foram examinadas usando estatística descritiva e análise de regressão de Poisson.

Resultados: A prevalência estimada nesta população foi de 86,7 casos para cada 10.000 idosos para a Hepatite B e de 6,81 casos para a Hepatite C, no período entre 2007 e 2017. No modelo multivariado de regressão logística, as infecções pelo HBV e HCV foram associadas às etnias não brancas (OR 3,45; IC95% 1,23–9,65; p=0.018), histórico de realização de transfusão sanguínea (OR 11,51; IC95% 3,92–33,76; p=0.001), residir em município com mais de 20 mil habitantes (OR 3,45; IC95% 1,05–11,32; p=0.036) e mais de 50 mil habitantes (OR 3,2; IC95% 1,06–9,56; p=0.040), caracterizando essas variáveis como possíveis fatores de risco na população estudada.

Discussão/Conclusão: Destacaram‐se como fatores preditores para estas infecções 3 variáveis: viver em município com mais de 20 mil habitantes, pertencer à etnias não brancas e histórico de transfusão sanguínea. Portanto, mesmo a população idosa não sendo classicamente um grupo de risco para as hepatites virais B e C, há de se considerar a tendência de crescimento dessa população nas próximas décadas e seus consequentes impactos nos sistemas de saúde, tornando necessário o aprofundamento deste tema em novos estudos e ampliar o desenvolvimento de políticas de prevenção e rastreio destas infecções neste público.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools