Journal Information
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
AO 29
Open Access
TRANSMISSÃO DOMICILIAR DE PATÓGENOS MULTIDROGA-RESISTENTES ADQUIRIDOS DURANTE INTERNAÇÃO HOSPITALAR
Visits
...
Milena Aparecida Del Masso Pereiraa, Maria de Lourdes Ribeiro de Souza da Cunhab, Adriano Martison Ferreiraa, Letícia Calixto Romerob, Carlos Magno Castelo Branco Fortalezaa
a Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Botucatu, SP, Brasil
b Instituto de Biociências de Botucatu (IBB), Universidade Estadual Paulista (UNESP), Botucatu, SP, Brasil
Article information
Introdução/Objetivo

A crescente incidência de patógenos multidroga-resistentes (MDR) em serviços de saúde traz consigo o risco de transmissão comunitária desses agentes, em especial a domiciliar. Realizamos um estudo para avaliar a potencial disseminação e transmissão de bactérias MDR a partir de egressos hospitalares colonizados ou infectados, para seus contactantes domiciliares.

Métodos

Foi realizado um estudo de coorte de setembro/2020 a setembro/2021 incluindo egressos hospitalares e seus familiares. Foram incluídos pacientes com culturas positivas após 48 horas da admissão hospitalar e que não tinham relato de infecção por patógenos MDR nos últimos 6 meses. Os patógenos de interesse foram aqueles que compõem o grupo ESKAPE: Enterococcus spp resistente à vancomicina, Staphylococcus aureus resistente à meticilina, e bacilos Gram-negativos (BGN, Klebsiella spp, Acinetobacter baumannii, Pseudomonas aeruginosa e Enterobacter spp). Após a alta hospitalar, foram realizadas visitas domiciliares com coletas de swabs nasais, orais e retais nos dias 15, 30 e 90, do paciente índice e de seus familiares, mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. A identificação dos patógenos seguiu os critérios usuais de laboratório.

Resultados

Até o momento foram acompanhados 35 casos índices e 54 contatos domiciliares. 74% (26/35) dos egressos tiveram cultura positiva, nos quais 23 eram o mesmo patógeno da internação e 3 com perfis distintos (em dois casos, haviam dois patógenos diferentes no mesmo egresso): em 18 casos, K. pneumoniae; em 5 casos, P. aeruginosa; em 4 casos, A. baumannii e em um caso, S. aureus. Em 6 ocasiões foram identificados patógenos similares em cultura de pacientes e seus familiares: em 3 casos, K. pneumoniae (todos cônjuges); 2 casos de P. aeruginosa (filha e esposa), 2 casos de A. baumannii, (filha e esposa), no qual a última foi simultâneo à K. pneumoniae. Os BGN e S. aureus eram resistentes aos carbapenêmicos e à cefoxitina, respectivamente. Em todos os casos, os familiares colonizados referiam contato intenso durante cuidados de saúde com o egresso hospitalar (banhos, trocas de roupa, fazer curativos, vestir fraldas, entre outros).

Conclusão

Nosso estudo permitiu identificar transmissão intra-domiciliar de patógenos MDR usualmente associados às infecções relacionadas à assistência à saúde. Esses achados abrem possibilidades de novas abordagens sobre disseminação desses patógenos de serviços de saúde para a comunidade.

Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools