Journal Information
Vol. 26. Issue S2.
(September 2022)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 26. Issue S2.
(September 2022)
EP-089
Open Access
INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES PRIMÁRIAS DA CORRENTE SANGUÍNEA EM UTI ADULTO CAUSADAS POR CANDIDA SPP EM HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ANÁLISE NO ANO 2019 E DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19
Visits
970
Milton Soibelmann Lapchik, Valquiria Brito Carvalho, Ingrid Weber Neubauer, Maria do Carmo Souza, Maria Gomes Valente
Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar (NMCIH), Divisão de Vigilância Epidemiológica (DVE), Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVISA), São Paulo, SP, Brasil
This item has received

Under a Creative Commons license
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 26. Issue S2
More info
Introdução

A vigilância epidemiológica das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) é coordenada pelo Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar (NMCIH/DVE/COVISA) desde 2004 no Município de São Paulo. As medidas de prevenção e controle das IRAS em pacientes críticos, incluem o monitoramento dos indicadores de densidade de incidência de infecção hospitalar primária da corrente sanguínea, laboratorialmente confirmada, associada ao uso do cateter vascular central (IPCS lab). Na pandemia de COVID-19, estudos relataram o aumento da incidência de IRAS em UTI adulto, sendo a IPCS o sítio mais frequente.

Objetivo

Avaliar o impacto da pandemia de COVID-19, sobre a incidência de IPCS lab causada por Candida spp. em UTI adulto geral e UTI COVID-19 no Município de São Paulo.

Método

Realizado estudo epidemiológico retrospectivo, incluindo o período pré pandemia de COVID-19 (ano de 2019) e o período pandêmico de janeiro 2020 a junho/2021, para avaliação e consolidação dos indicadores de incidência de IPCS lab causadas por Candida spp. em UTI adulto geral e UTI adulto exclusiva para atendimento de pacientes com COVID-19 (UTI COVID-19) nos hospitais públicos e privados do MSP. O número de unidades monitoradas incluíram 126 UTI adulto geral (no ano de 2019), 114 UTI adulto geral e 97 UTI COVID-19 (ano 2020-2021/1). Os critérios e definições de IPCS lab utilizados neste estudo foram os mesmos citados pelo CVE/SP e ANVISA. A análise dos indicadores foi realizada pelos valores de mediana (percentil 50%) comparando-se os serviços com administração pública e administração privada.

Resultados

A incidência de IPCS lab causadas por Candida spp foi mais elevada em UTI COVID-19 quando comparado a UTI adulto geral (incidência de 0,69 e 0,56 respectivamente no primeiro semestre 2021). Houve aumento na incidência de IPCS lab por Candida spp. em UTI adulto geral quando comparado o período de 2019 (pré pandemia) e o período de 2020-2021/1 (incidência de 0,42 e 0,56 respectivamente). A Candida albicans e Candida parapsilosis foram as espécies isoladas com maior frequência em UTI adulto geral e UTI adulto COVID-19.

Conclusão

A incidência de IPCS lab causada por Candida spp. em UTI adulto geral e UTI COVID-19, no Município de São Paulo, apresentou elevação no período da pandemia de COVID-19 quando comparado ao ano de 2019. A incidência de IPCS lab causada por Candida spp foi maior em UTI COVID-19, com predomínio de Candida albicans e Candida parapsilosis.

Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools