Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 30 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 30 (December 2018)
OR‐56
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.057
Open Access
CARGA PLASMÁTICA RESIDUAL DO VÍRUS DA HEPATITE B E EXPOSIÇÃO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL EM PACIENTES COINFECTADOS PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA EM UM AMBULATÓRIO UNIVERSITÁRIO
Visits
...
Leonardo Weissmann, Camila M. Picone, Michele S. Gomes‐Gouvêa, Alex Jones Cassenote, Aluisio C. Segurado
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: 6 ‐ Horário: 15:40‐15:50 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: A terapia antirretroviral (TARV) determinou diminuição da incidência de Aids e da mortalidade em pessoas que vivem com o vírus da imunodeficiência humana (PVH). Outras comorbidades assumiram, consequentemente, maior relevância no cuidado integral a esses indivíduos. Destaca‐se, nesse contexto, a infecção crônica pelo vírus da hepatite B (VHB), dada a influência negativa que a infecção pelo HIV tem sobre a história natural da doença nos coinfectados. Sabendo‐se que drogas antirretrovirais podem também inibir a replicação do VHB, justifica‐se analisar o impacto da TARV no manejo da hepatite B nessa população

Objetivo: Avaliar a frequência de viremia residual pelo VHB entre indivíduos coinfectados com HIV em uso de antirretrovirais e fatores a ela associados.

Metodologia: Em estudo transversal de série de casos, acompanhada em ambulatório especializado no cuidado a PHV em São Paulo, avaliaram‐se pacientes com coinfecção HIV/VHB, idade acima de 18 anos e em uso de TARV por mais de seis meses. Não houve critério de exclusão. Coletaram‐se dados sociodemográficos, de exposição ao HIV e VHB e clínico‐laboratoriais por meio de entrevistas e revisão de prontuários. A viremia do VHB foi aferida por RT‐PCR quantitativo. Nos casos de viremia do VHB > 900UI/mL, fez‐se sequenciamento para identificação de mutações conferidoras de resistência aos antivirais.

Resultado: Foram atendidos 2.946 pacientes no serviço em 2015, 83 foram elegíveis para o estudo, dos quais 56 puderam ser avaliados. Viremia do VHB foi identificada em 16 (28,6%) deles (IC95%: 18,0‐41,3%) e todos faziam uso de lamivudina e tenofovir no momento de inclusão no estudo. Mostraram‐se diretamente associadas à viremia residual do VHB: menor escolaridade (p=0,015), antecedente de doença definidora de Aids [OR: 3,43 (IC95%: 1,10‐11,50); p=0,040]; AgHBe reagente [OR: 6,60 (IC95%: 1,84‐23,6); p=0,003]. Por outro lado, encontraram‐se inversamente associados: a última contagem de linfócitos T CD4+ > 500 células/mm3 [OR: 0,18 (IC95%: 0,04‐0,71); p=0,016] e anti‐HBe reagente [OR: 0,21 (IC95%: 0,04‐0,99); p=0,043]. Nos quatro pacientes que apresentaram viremia pelo VHB > 900UI/mL, foram identificadas mutações com perfil de resistência total à lamivudina e parcial ao entecavir.

Discussão/conclusão: Mesmo em uso de TARV, porcentagem significativa dos pacientes coinfectados permanece com carga plasmática residual do VHB. A caracterização dos fatores associados a esse desfecho pode orientar os profissionais no manejo mais apropriado desses indivíduos.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.