Journal Information
Vol. 22. Num. S1.December 2018
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 1-144
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Num. S1.December 2018
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 1-144
OR‐07
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.008
Open Access
DETERMINAÇÃO DA SENSIBILIDADE A ANTIFÚNGICOS DE CRYPTOCOCCUS SPP ISOLADOS DE PACIENTES IMUNOCOMPETENTES E IMNUNOSSUPRIMIDOS COM CRIPTOCOCOSE
Visits
124
Erika Nascimento, Patricia Helena G. Bariao, Marcia R.V.Z. Kress, Roberto Martinez
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil
This item has received
124
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Faepa/Capes

N°. Processo:

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: 2 ‐ Horário: 15:50‐16:00 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: A mortalidade causada pela criptococose é elevada mesmo com o tratamento disponível e nos casos de cura são frequentes as sequelas neurológicas. Neste estudo, foi avaliada a susceptibilidade a antifúngicos de Cryptococcus nos isolados de pacientes coinfectados e não coinfetados pelo HIV.

Objetivo: O objetivo principal foi determinar e comparar as CIMs (concentrações inibitórias mínimas) e os perfis de sensibilidade de Cryptococcus isolados desses dois grupos e fazer comparações das CIMs entre as espécies.

Metodologia: Foram usados neste estudo 148 isolados clínicos de Cryptococcus sp, oriundos do HCFMRP‐USP, as amostras foram separadas em dois grupos. No Grupo 1 foram avaliados 107 casos de pacientes coinfectados pelo HIV. No Grupo 2 foram avaliados 41 casos de criptococose em pacientes não coinfectados pelo HIV, eram aparentemente imunocompetentes (14 casos) e imunodeprimidos (27 casos). Todos os isolados foram identificados por biologia molecular, eram 133 Cryptococcus neoformans e 15 Cryptococcus gattii. Os perfis de sensibilidade das amostras de Cryptococcus frente aos antifúngicos foram obtidos pelo método de microdiluição em placas (baseado no protocolo MS27‐A3 indicado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute), os antifúngicos testados foram: anfotericina B, fluconazol, itraconazol, voriconazol e 5 flucitosina.

Resultado: A grande maioria dos isolados apresentou CIM representativa de susceptibilidade, porém 38 isolados tinham sensibilidade dose‐dependente a uma ou mais drogas. Foi verificado que não houve significância estatística com os antifúngicos testados quando comparados entre os Grupos 1 (HIV positivo) e 2 (HIV negativo), exceto o voriconazol (p=0,044). Essa análise foi feita com os isolados de C. neoformans. Porém, a análise entre as espécies mostrou C. gattii mais suceptivel à anfotericina B e menos sensível aos azólicos do que C. neoformans.

Discussão/conclusão: A maioria dos isolados apresentou sensibilidade aos antifúngicos testados e alguns isolados de C. neoformans e C. gattii presente nos dois grupos apresentaram sensibilidade dose‐dependente a fluconazol, itraconazol e 5 flucitosina, o que pode ter impacto negativo no tratamento de pacientes.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
Cookies policy
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.